Desabafo: eu não sinto saudade (sou insensível/fria por isso?)

Vez ou outra alguém me pergunta se eu sinto saudade de estar grávida, da barriga, da sensação... Pode parecer insensível da minha parte, mas a resposta é NÃO.

Refleti um pouco mais sobre esse sentimento e percebi que eu não só não sinto saudade de estar grávida, como não sinto saudade de nenhuma outra fase da vida das crianças. Qu

Dia das mães merece mais que presente, merece reflexão

No Brasil se comemora o dia das mães no segundo domingo de maio, aqui em Portugal a comemoração é no primeiro domingo, ou seja, amanhã. A outra diferença é que aqui chamam de dia da mãe (no singular). Tirando essas pequenas diferenças, todo o resto é bem parecido. Recebi presentes feitos pelas crianças na escola, a tarefa de casa do fim de semana do Benjamim é preparar um pequeno almoço (café da manhã) especial para mim e eu estou no aguardo do que est

A batalha entre ser mãe e conseguir assistir a série que você gosta

Amo assistir séries desde sempre! E dos mais variados temas. Lembro como se fosse ontem quando assisti o primeiro episódio da primeira temporada de GOT (Game of Thrones). Lembro de onde estava, da roupa que estava usando, tudo! Mesmo que você não assista a série, pode continuar lendo o post porque o mesmo não se trata da série em si, mas da relação estabelecida entre acompanhar séries e ser mãe (de 3, no meu caso).

5 meses morando em Portugal (valeu a pena?)

Amanhã completo cinco meses morando em Portugal. Parece pouco, né? Mas nesse tempo vivi uma vida inteira. Para mim, esse lance de tempo cronológico rola mais quando o assunto é relacionado a compromissos, tipo reuniões, coisas de trabalho, consultas médicas, etc, etc... Aliás, sou até bem pontual! Pontualidade, para mim, é sinônimo de respeito com o outro. Mas voltando ao assunto, eu sou mais movida pelo tempo psicológico, aquele que é bem particular e su

O primeiro Natal vivendo em outro país

Cascais, Portugal, 25 de Dezembro de 2018.

Agora são exatamente 17:56. Marcelo está na cozinha preparando o jantar enquanto Benjamim assiste um filme que, teoricamente, era para Nina (porque ela escolheu, mas correu para cozinha quando o pai perguntou: "quem quer ajudar o papai a fazer o jantar?" Joaquim, claro, foi também!)

Quero falar sobre ontem, quando iniciamos nossas comemorações natalinas