Todo ano novo e aquela super esperança de que tudo será diferente. Diferente como, especificamente? Os mil planos serão apenas planos, os sonhos serão apenas sonhos se eu não entrar em ação e continuar agindo com persistência dia após dia. É assim que as mudanças acontecem: agindo! Não é tão romântico como nos pensamentos, muitas vezes é cansativo e dá vontade de desistir, mas é a realidade.

Para tornar alguma coisa possível e não me sentir frustrada e com a sensação de fracasso no fim de 2020, decidi fazer diferente. Diferente de verdade e não diferente como eu penso que vou ser na virada do ano e depois acabo no mais do mesmo. Como será isso? Mágica? Não. Escolherei uma coisa (talvez duas) e focarei nela para ser melhor. Parece pouco, eu sei, mas conseguirei colocar minha energia nesse ponto e fazer com que a mudança aconteça. Conseguiu e o ano ainda está rolando? Passa para outro ponto. E assim vai seguindo o baile. Deu para entender?

Meus dois tópicos (sim, escolhi dois) para esse início de ano foram os seguintes: ler mais livros e tratar melhor o meu corpo (isso não significa emagrecer, significa respeitá-lo e amá-lo, aceitá-lo como ele é, mesmo que eu esteja insatisfeita esteticamente com ele – deu para entender a diferença?).

Hoje é dia 04 de Janeiro de 2020, estou terminando de reler o livro da Shonda Rhimes, “O ano em que disse sim – Como dançar, ficar ao sol e ser a sua própria pessoa”. Inclusive recomendo muitíssimo a leitura, tá? Já fica a dica. Tenho meditado todos os dias (desde dezembro, na verdade), banho de sol logo pela manhã (olá, vitamina D!), como mais comida de verdade e menos industrializados (essa parte é um aprendizado que eu venho ralando o tchan há anos!) e tenho me olhado no espelho com mais amorosidade, mesmo nos dias que não me amo tanto assim, tento fazer disso algo não tão importante como já foi durante parte considerável da minha vida. E basicamente é isso, sem tanta cobrança, um dia de cada vez.

No fim de janeiro farei uma avaliação de como me saí, se tudo estiver correndo bem, talvez acrescente mais algum tópico. No fim de fevereiro, farei mais uma avaliação e se tudo continuar indo a contento, acrescento mais um. E assim seguirei até dezembro. 

É simples e prático. Não precisa ser tão difícil, o que também não significa que seja fácil. Toda mudança requer esforço, persistência e consistência. Faça isso um dia de cada vez, um mês de cada vez… Pronto.

Não existem receitas perfeitas, por isso testo muitas, adequo, substituo uma coisinha aqui e outra ali. Só não abro mão de um ingrediente: ser honesta comigo mesma.

Assim começou o meu 2020. Com metas modestas, porém praticáveis. E, principalmente, metas que eu desejo alcançar por mim e para mim, os outros que vivam suas vidas e sigam seus padrões. No meu corpo e na minha mente, quem manda sou eu. Por isso silencio, medito, olho para dentro, me conheço, me reconheço e sigo cada dia mais firme e forte na jornada desta vida.

Quanto mais do meu umbigo eu cuido, mais consigo olhar para o outro sem julgar (tanto). Não sou santa, né? Ainda estou engatinhando na evolução emocional, espiritual e fofoqueirística. Um dia, quem sabe, eu chego lá.