Não, minhas amoras. Eu NÃO mudei de profissão. Continuo na jornada apaixonante do autoconhecimento, só que quanto mais estudo, aprendo, aprimoro, mais tudo isso reflete diretamente na minha maneira de viver e de trabalhar.

Nunca fui fã de rótulos, a mudança é minha fiel companheira e eu nunca deixei de ser quem sou (em essência – meus valores), o que acontece é a evolução natural enquanto ser humano que busco e que faz parte da minha maneira de desenvolver meu trabalho.

Eu continuo sendo tudo que fui, está tudo aqui, ó, dentro de mim; no entanto, de uns tempos pra cá, principalmente depois que voltei para o Brasil (junho/2019) senti um desejo muito forte de me aprofundar mais no autoconhecimento sob uma perspectiva mais holística (corpo, mente, espírito/energia, sentimentos, emoções e pensamentos). Sempre busquei compreender cada uma de nós como esse todo, exercitando minha empatia, ouvindo ativamente, lendo nas entrelinhas o que não estava sendo dito, etc, etc, etc…  E eu mergulhei mais profundo, primeiro em mim, agora em vocês. Fiz um curso de Psicoterapia Holística e estou concluindo outro em Homeopatia. Aprendizado nunca é demais e eu curto muito trazer tudo que acredito e que estudo, estudo e estudo com tanta dedicação e amor para vocês.

Pois bem, meus atendimentos continuam, só que agora numa nova fase, mais completa, mais madura, mais eu do que nunca. O projeto de atender presencialmente aqui em Natal/RN era algo que estava planejado para acontecer após o primeiro trimestre de 2020, mas eu comentei sobre o assunto desse post nos meus stories há um tempinho e as pessoas começaram a me procurar. Uma coisa levou a outra, tudo fluiu bonito e eu encontrei um lugar lindo, com energia idem e pessoas mais idem para fazer meus atendimentos. Em menos de 48h encontrei o lugar, montei minha sala e, no dia seguinte já estava atendendo. Se eu tivesse planejado não teria dado tão certo (eu sei disso porque sou a rainha das listas, planilhas e planejamentos). Mas faz um tempo que tenho deixado a intuição fluir mais, tenho planejado sim, mas tenho exercitado a flexibilidade (e tem dado muito certo!).

Se eu fosse racionalizar, jamais teria iniciado os atendimentos no final de novembro, perto do fim do ano, quando as pessoas costumam viajar e parar sua rotina (porque meu trabalho depende muito dessa rotina, genericamente falando). Mas eu iniciei mesmo assim, resolvi encarar o desafio (bem no início das provas da universidade, inclusive). E continuou dando certo. Por que eu estou escrevendo isso? Para te dizer que NÃO EXISTE MOMENTO IDEAL! Se você deseja fazer alguma coisa, acredita em você e FAZ! Se não der certo, tudo bem. Aprende, respira um pouco e tenta de novo. Porque não existe momento ideal para viver, o momento é agora. Eu sempre digo que o AGORA é tudo o que temos. E é mesmo.

Cá estou eu, no auge dos meus quase 35 anos (pode chegar quinto setênio!), mudando e sonhando mais uma vez. Não somos velhas demais, não precisamos abrir mão de tudo por causa da maternidade (sei que muitas vezes a gente abre mão por falta de opção, mas não podemos desistir de nós!) e me sentindo ótima.

SOBRE MEUS ATENDIMENTOS:

Sou terapeuta holística, faço atendimentos presenciais (online também). O primeiro atendimento dura, em média, duas horas e nele faço uma anamnese minuciosa sobre você. Conversamos muito, pratico a escuta ativa, a empatia  e utilizo minha expertise para elaborar uma diagnose e em seguida um plano de tratamento, o qual varia de pessoa para pessoa. Geralmente faço uso de aromaterapia, florais de Bach, cristaloterapia, Reiki, dentre outras práticas terapêuticas. Algumas vezes, quando necessário, e de acordo com o desejo da cliente, indico a mesma para outros profissionais – com o intuito de fazermos um tratamento multidisciplinar (nutricionistas, psicólogos, etc), para que o tratamento seja  o mais completo possível e que nossa cliente reestabeleça seu equilíbrio. É um trabalho que amo fazer e que tem trazido resultados muito gratificantes. Caso você que está lendo sinta interesse, me manda mensagem (meu whatsapp: 84 99460 1331).

Obs.: costumo escrever no feminino, mas também atendo homens.