Não tem sido fácil conciliar todas as responsabilidades da minha rotina, tem dias que dá vontade de ficar quietinha na cama e fingir que nada e nem ninguém depende ou precisa de mim. Mas quem disse que a consciência deixa? Mãe é bicho besta, que carrega o mundo e culpa nos ombros como se eles fossem só seus.

Tem o peso cultural, tem o peso social, tem tanta coisa que pesa… E a gente vai acumulando, acumulando… E chega uma hora que só há uma maneira de lidar com tudo isso, ou a gente pira de vez ou a gente se culpa menos, se cobra menos e desacelera. Escolhi o segundo caminho, mas ainda estou no começo da jornada…

Fazer escolhas, parar alguns minutos, refletir… Como se concilia tudo? Como não se sentir exausta e ainda assim não conseguir descansar já pensando em tudo que precisa ser feito no dia seguinte? É tanto “e se…”, “como vou fazer tal coisa…”

Já faz um tempo que estudo sobre meditação, espiritualidade, coaching, maternidade… O que eu descobri de mais precioso foi que no meio de tudo isso, nada vai funcionar se a gente não parar de vez em quando para ouvir o que o nosso corpo está falando para nós. Sabe aquela voz dentro da nossa cabeça? Eu a chamo de sexto sentido ou intuição. O nome pouco importa, só sei que ela está aqui, sempre comigo. Você reconhece essa voz?

Nossas responsabilidades não vão desaparecer, a vida não para, às vezes não temos aqueles 5 minutos a mais para dormir e nem aquela disposição para sair na sexta à noite. O que eu quero dizer é que o mundo não muda, não se adapta às nossas vontades, mas a gente pode mudar a maneira de perceber e viver as coisas. Desacelera, mina! Pisa no freio, respira fundo… Quando foi a última vez que você fez algo apenas por diversão? Quando foi que você riu até doer a barriga? As pequenas coisas do nosso dia a dia transformam a nossa vida. Os pesos começam a não ser tão pesados assim… Algumas vezes diminuímos nossa bagagem (eu diminuí escolhendo trabalhar em casa, escrevendo mais, passando mais tempo com meus filhos e voltando a estudar – pela PRIMEIRA vez estou estudando algo que amo, mas isso eu conto depois) ou seus ombros podem se tronar mais fortes (como faz isso? Doses diárias de empoderamento e amor próprio ajudam muito. Outra coisinha que fortalece muito os ombros e a alma é não pensar tanto assim nos outros e pensar mais em você, meu bem).

Eu SEMPRE escrevo sobre a importância das pequenas coisas, das pequenas alegrias da jornada, de viver o presente, focar sua atenção no agora (pare de lamentar o passado e de olhar pro futuro!). A vida acontece AGORA! Tanta preocupação, tanta culpa e tanto julgamento só tornam a vida cinza (nada contra a cor, até acho chique e linda, mas ninguém merece uma vida monocromática). Com quais cores estamos pintando nossos dias? É hora de se cobrar menos e viver mais, muito mais.

Um pouquinho de mim e das coisas lindas do meu instagram (doses diárias de reflexão, autoconhecimento e muito amor). <3

Querendo conversar, trocar uma ideia, estou aqui. Manda mensagem inbox no Instagram. Caso você ainda não me siga, lá é um bom lugar para se inspirar com frases, reflexões e dicas de como levar a vida assim, mais leve. Minha arroba lá é @terezala. Tem também aqui na página inicial do blog e no fim dessa página também, é facinho me encontrar.

E lembrem-se:

Precisamos compreender que a vida não é um fardo, um monte de coisas para fazer, uma jornada chata e estafante. Final feliz pode até existir, mas é muito melhor ser feliz o caminho inteiro.