Presente fisicamente e a cabeça em qualquer lugar, menos ali junto com o corpo… Quem nunca?

Perdi as contas de quantas vezes eu estava fazendo algo, fosse em sala de aula, fosse numa reunião de trabalho, assistindo filme ou até mesmo lendo ou conversando com alguém, mas eu NÃO estava ali de fato. Quer dizer, meu corpo estava, mas minha cabeça estava láááá longe… Alguém se identifica?

Quando isso acontece, parece que a nossa consciência simplesmente sai do nosso corpo e vai dar uma volta, enquanto ficamos ali parados, fingindo que está tudo uma maravilha. De fato, nem eu, nem você, nem ninguém está imune a esse tipo de situação e frequentemente passamos uma boa parte do nosso precioso tempo imersos em viagens mentais, pensando sobre algo do passado ou do futuro. E qual o problema disso? Bem, perdemos muita coisa boa, uma fatia considerável das nossas vidas, aliás. Na prática, esses períodos de distanciamento nos tornam mais propensos a acidentes, interferem negativamente na realização de tarefas e no nosso aprendizado.

O estado mental oposto, a atenção plena (mindfulness), se caracteriza por um estado de consciência calmo e concentrado – associado ao bem-estar físico e mental. Tal estado também pode ser interpretado como transe, conseguido através de meditação e/ou hipnose.

E o que é HIPNOSE? A hipnose é um estado de absorção interna, concentração e atenção. É como usar uma lupa de vidro para concentrar os raios do sol e torná-los mais poderosos. Da mesma forma, quando nossa mente está concentrada e focada, somos capazes de usá-la mais intensamente.

A grande maioria das pessoas não está acostumada a se manter assim. Felizmente é possível aprender – através de exercícios e técnicas, sozinho ou acompanhado de um profissional da área – e transformar em hábito o direcionamento da sua atenção naquilo que você deseja, de forma saudável e extremamente produtiva, alcançando um Estado de Atenção Focado.

Ainda existem muitos tabus e até mesmo um certo misticismo em torno da hipnose. Pois bem, no decorrer do tempo, postarei mais questões envolvendo a mesma, relatando maneiras de como a utilizo em meu trabalho, no meu cotidiano (comigo mesma a até com meu filho de 4 anos de idade) e como ela nos beneficia.

Voltando para o tema do post,

FOCO “é ter um objetivo, ser determinado a alcançar ou atingir uma meta, ter prioridade em fazer algo não desvirtuando para outro caminho.” Ou seja, é deixar de divagar, de viajar na maionese e colocar sua energia e atenção naquilo que você realmente deseja.

 

Mira, treina e tenta até conseguir. Depois é só correr pro abraço e mandar colar de beijos pra todo mundo!

E o Coaching também está aí para isso! Quer saber mais? Fale comigo. Estou sempre à disposição.

Beijos e até!

Post inspirado em matéria publicada na revista “Scientific American Mente e Cérebro”, edição especial n. 46.