“As pessoas querem mais que apenas corrigir suas fraquezas; querem vidas cheias de significado, e não somente um dia depois do outro até a morte.” (Martin Seligman)

Ainda não terminei a leitura, mas ela tem sido tão enriquecedora e esclarecedora que resolvi compartilhar logo com vocês.

O livro se chama “Felicidade Autêntica”, de Martin Seligman. Trata de uma apresentação da Psicologia Positiva, a qual é considerada uma ideia revolucionária e, basicamente, foca nas nossas forças ao invés de focar nas nossas fraquezas. Ou seja, de acordo com ela, não basta simplesmente acabarmos com o sofrimento para que a felicidade surja. Ela defende, através de estudos e de bases comprovadas cientificamente que o caminho é descobrir o que existe de melhor dentro de nós.

Seligman nos guia e nos ensina que a felicidade pode ser cultivada, desde que conheçamos qualidades que já possuímos, tais como generosidade, otimismo e bondade, e que utilizemos traços das mesmas, das nossas forças/qualidades pessoais em todos os setores fundamentais da vida, desenvolvendo de maneira natural “amortecedores” contra emoções negativas e, consequentemente, contra a infelicidade.

O livro nos mostra que é possível sermos mais felizes, darmos mais risadas, termos maiores ambições e nos sentirmos melhores com quem realmente somos em essência, mesmo que a princípio muitos possam discordar e torcer o nariz para tal ideia.

O foco, assim como o Coaching, é no positivo, através do autoconhecimento, podemos diagnosticar em nós mesmos quais são nossos pontos fortes e aprimorá-los ainda mais. Identificando o que temos de melhor, podemos fazer a diferença, mantendo elevadas nossa alegria e satisfação.

Bem, se alguém me perguntar se a Psicologia Positiva funciona, minha resposta será DEPENDE. Depende de você. Se você acreditar e se comprometer, ela funcionará, assim como tudo o mais que existe no universo. Caso não acredite, respire fundo. Quem sabe um outro dia? Para mim ela funciona, tem me auxiliado a ser uma Coach melhor, uma mãe melhor, um ser humano melhor.

Beijos e até!